Rio de Janeiro: curtindo a cidade com a minha família

PorClarissaBravo

O Rio de Janeiro é uma ‘cidade de encantos e desencantos’. É um misto de sensações viver aqui. E eu vivo, particularmente, com duas crianças lindas, o Bernardo e o Henrique e meu marido, Marcelo.

Nós somos uma família que curte bastante a relação com a geografia do Rio e com as múltiplas opções de lazer que a cidade nos oferece. E como todas as famílias temos as preferidas de sempre.

Nesse post vou mostrar um pouquinho como são os finais de semanas na cidade maravilhosa com crianças e opções de passeios econômicos e super divertidos.

Parque dos Patins – Lagoa

O Parque dos Patins é o passeio ao ar livre preferido do meu filho mais velho, o Bernardo. Sempre que a disposição pinta, vamos pra lá. É um passeio barato, a vista é linda e ainda temos a opção de levar os brinquedos para eles interagirem com o parque sem que tenhamos que gastar os tubos com as atrações pagas (pula-pula, carro elétrico, escorrega inflável, piscina de bolas). E ainda levamos nosso lanche também. A única coisa que nós não abrimos mão é dos churros (risos).

O estacionamento custa R$2,00 pelo período de 2 horas. É esse mesmo o tempo que geralmente gastamos lá. Se o visitante não possui carro, a região é bem servida de linhas de ônibus, além da linha de integração com o metrô.

Lagoa Rodrigo de Freitas - Parque dos Patins - Vista para o Cristo Redentor
Lagoa Rodrigo de Freitas – Parque dos Patins – Vista para o Cristo Redentor

 

Parque dos Patins - Lagoa Rodrigo de Freitas
Parque dos Patins – Lagoa Rodrigo de Freitas

 

Parque dos Patins - Lagoa Rodrigo de Freitas
Passeio de bicicleta

 

Parque dos Patins - Lagoa Rodrigo de Freitas
Pescaria de copo

 

Quinta da Boa Vista – Museu Nacional

O Museu Nacional, que fica dentro da Quinta da Boa Vista, no bairro de São Cristóvão, uma das regiões mais tradicionais da zona norte carioca, é um espaço de cultura incrível para toda a família. Criado em 1818, é o maior museu de história natural e antropológica da América Latina. O acervo abrange fósseis de várias parte do mundo, animais empalhados, múmias do Egito antigo, indumentárias e objetos das mais diferentes civilizações e nações, povos e culturas, entre outras atrações.

As minhas crianças amaram o passeio e recomendaram para os amiguinhos da escola na semana seguinte.

Endereço: Quinta da Boavista, sem número, bairro São Cristóvão – Rio de Janeiro – RJ

Horário de funcionamento: terça-feira a domingo, incluindo feriados, das 10 às 17h. Segunda feira das 12 às 17h.

Telefone: (21) 3938-6900

Preço: Inteira – R$6, meia entrada – R$3. Entrada grátis para crianças até 5 anos, funcionários e alunos da UFRJ e idosos acima de 60 anos. Podem ser concedidos descontos para famílias.

Bernardo e Henrique admirando os meteoritos
Bernardo e Henrique admirando os fósseis
DSC01294
Os meninos posando com o esqueleto de dinossauro

 

Museu de Arte do Rio (MAR) 

O Museu de Arte do Rio realmente nos surpreendeu, assim como toda a região da Praça Mauá, antes degradada, está revitalizada, movimentada e no dia que fomos, estava bem policiada. O comércio local se adaptou, oferecendo poucas mas agradáveis opções de restaurantes. A cidade está ganhando formas mais aprazíveis e divertidas: a população agradece.

Museu de Arte do Rio (Mar) - visão lateral
Museu de Arte do Rio (Mar) – visão lateral
DSC01858
Bernardo e Henrique brincando de subir e descer do monumento #CidadeOlímpica montado na Praça Mauá
DSC01872
Visão do terraço do MAR
Museu de Arte do Rio (Mar)
As crianças interagindo com as obras do museu

 

Endereço: Praça Mauá, 5, Centro – Rio de Janeiro/RJ

Horário de funcionamento: terça-feira a domingo, incluindo feriados, das 10 às 17h. Segunda feira das 12 às 17h.

Telefone: (21) 3031 2741

Preço: Inteira – R$8, meia entrada – R$4. Entrada grátis para alunos da rede pública de Ensino Fundamental e Médio, crianças com até 5 anos de idade, pessoas com idade a partir de 60 anos, professores da rede pública de ensino, funcionários de museus, grupos em situação de vulnerabilidade social em visita educativa, vizinhos do MAR, guias de turismo.

Site: http://www.museudeartedorio.org.br/pt-br

 

Domingo no Maracanã

Nosso núcleo é torcedor do Vasco da Gama, ora pois! E, a ala mais engajada é composta do meu irmão Diogo.

Na última decisão do Campeonato Carioca (2015), apostamos e ganhamos uma experiência única: ao mesmo tempo que fomos campeões após 12 anos de jejum no carioca, foi a primeira vez que meu filho Bernardo pisou no Maracanã. Inesquecível! E passeio mais carioca que ir ao Maracanã no domingo, impossível! Recomendo.

 

IMG_3768 IMG_3767 IMG_3766 IMG_3765

 

 

Anúncios

Belini Gourmet

Estátua do Bellini

 

Por Marcelo Freire

Holofotes intensos, multidão de cadeiras azuis e cachorro-quente. Estávamos no centro do mundo, ou pelo menos aquilo que um dia foi o umbigo do meu imaginário. Era a segunda vez no novo Maracanã, a reencarnação bilionária daquele onde já fui reverenciar ídolos, tive catarses mágicas e vivenciei taquicardias alucinantes. Agora, nossa experiência pintava mais como um passeio no shopping. Entrada de boutique, corredor de hotel – não me lembro da última vez que vi tanta gente educada junta, como a simpática ascensorista que nos conduziu ao andar de cima onde seríamos recebidos num camarote com cara de stand de feira de negócios. O espetáculo apresentado divertia, afinal o estádio era padrão Fifa e os times estavam elegantes em uniformes high techs. Mas a emoção só viria com o cachorro-quente que me remeteu à infância, quando meu pai me apresentara aquele templo assim como eu estava fazendo com minha filha. Contei essa história do lanche para ela, e pensei que isso aqui nunca será Manchester, Liverpool ou Londres, muito menos chegará a ser uma sombra do Nou Camp – se você procura uma ópera que esteja de acordo com o teatro, vá até lá. Mas também jamais seremos os mesmos. O passado foi demolido, e só restou dele uma caixa de isopor da Geneal e a saída. Ao final, deixei a simpática ascensorista de lado e rumei com minha filha para a longa rampa, o último refúgio de um passado glorioso. Duas sugestões para os administradores do estádio: se quiserem um restaurante envidraçado sobre o gramado, coloquem o nome de Belini Gourmet. Se quiserem uma boa lembrança no seu museu, coloquem uma carrocinha de hot dog na sua porta.

 

Marcelo Freire