Belini Gourmet

Estátua do Bellini

 

Por Marcelo Freire

Holofotes intensos, multidão de cadeiras azuis e cachorro-quente. Estávamos no centro do mundo, ou pelo menos aquilo que um dia foi o umbigo do meu imaginário. Era a segunda vez no novo Maracanã, a reencarnação bilionária daquele onde já fui reverenciar ídolos, tive catarses mágicas e vivenciei taquicardias alucinantes. Agora, nossa experiência pintava mais como um passeio no shopping. Entrada de boutique, corredor de hotel – não me lembro da última vez que vi tanta gente educada junta, como a simpática ascensorista que nos conduziu ao andar de cima onde seríamos recebidos num camarote com cara de stand de feira de negócios. O espetáculo apresentado divertia, afinal o estádio era padrão Fifa e os times estavam elegantes em uniformes high techs. Mas a emoção só viria com o cachorro-quente que me remeteu à infância, quando meu pai me apresentara aquele templo assim como eu estava fazendo com minha filha. Contei essa história do lanche para ela, e pensei que isso aqui nunca será Manchester, Liverpool ou Londres, muito menos chegará a ser uma sombra do Nou Camp – se você procura uma ópera que esteja de acordo com o teatro, vá até lá. Mas também jamais seremos os mesmos. O passado foi demolido, e só restou dele uma caixa de isopor da Geneal e a saída. Ao final, deixei a simpática ascensorista de lado e rumei com minha filha para a longa rampa, o último refúgio de um passado glorioso. Duas sugestões para os administradores do estádio: se quiserem um restaurante envidraçado sobre o gramado, coloquem o nome de Belini Gourmet. Se quiserem uma boa lembrança no seu museu, coloquem uma carrocinha de hot dog na sua porta.

 

Marcelo Freire

Anúncios

Safári em livro de mesa de centro

Mar mediterrâneo

Por Marcelo Freire

Folheando o Caderno Ela – aquele mesmo das mulheres com espinha de cabideiro, quinquilharia digna de museu de arte moderna, decoração de casa de boneca e culinária escultórica -, encontro um ensaio no estilo Cinderela do sertão. A modelo, em meio ao barro e ao cerrado, posa com a barra do vestido limpa, a blusa branca engomada, os cabelos saboreados pelo vento. Não tenho como não deixar de pensar em Hapburn, Gable, Wayne. Robert Redford e seu túmulo povoado por leões. O Caderno deve ter pensado a mesma coisa. Segue uma bela matéria sobre hotéis milimetricamente rústicos, caminhonetes primorosamente preparadas para qualquer terreno, feras prontas para serem abatidas por gigapixels. Subir num balão e cortar a savana. Nada mal. Bem mais confortável que bancar um Louco Max no deserto montado num Lada cortando o Atacama ou como co-piloto do Paris-Dakar, o que, aliás, mais ninguém faz. Se bem que se o interesse é viver uma aventura, sugiro uma balsa pelo Mediterrâneo, sentido sul-norte. Boa sorte.

Marcelo Freire