O barato de Londres

DSC00249

 

PorClariceMenezes

O barato de Londres 

Mesmo com a libra lá nas alturas é possível curtir Londres e aproveitar o que ela oferece gratuitamente caminhando pelas ruas da cidade. Mercados, parques, praças, avenidas, monumentos e edifícios icônicos são algumas das atrações que o viajante encontra por lá.

Mas para os apaixonados por Arte, a cidade proporciona aos visitantes conhecer os três museus dentre os mais fantásticos do mundo sem pagar nadinha. British Museum, National Gallery e Tate Modern abrigam os maiores tesouros da humanidade e são passagem obrigatória para desvendar a história das civilizações.

Já que o passe é livre e não é preciso garantir os ingressos com antecedência, confiram o que eu vi por lá..

British Museum

O British Museum já chama a atenção pela sua imponente fachada. O prédio é adornado por colunas jônicas e possui um frontão com esculturas no estilo clássico. A escadaria leva à entrada do saguão principal de formato circular. Em 1994 esse espaço passou por uma reforma e ganhou uma cobertura espetacular: uma estrutura metálica com vidros triangulares que deixam passar a luz natural. O autor do projeto foi o renomado arquiteto Norman Foster, o mesmo responsável por projetar a Ponte do Milênio e o edifício 30 St Mary Axe (o Gerkhin).

O British foi fundado em 1753 e seu acervo integra mais de 8 milhões de peças provenientes de todas as partes do mundo, distribuídas pelos três andares do prédio. A coleção exibe obras da arte africana, grega e romana, egípcia, asiática, europeia, japonesa e também do Oriente Médio.

Dentre as atrações mais controversas do museu estão a Pedra Roseta e partes do friso do Parthenon. A pedra encontrada no Egito foi surrupiada em 1801 por Napoleão que a levou para Londres. Lá ela foi estudada e decifrada por estudiosos já que a relíquia contém inscrições em hieróglifos, demótico e grego antigo.

As esculturas provenientes do Parthenon foram transferidas para o museu britânico onde estão, desde 1816, muito bem conservadas. Até hoje elas são motivo de discórdia entre gregos e britânicos. A Grécia reivindica a devolução das peças para serem expostas no Novo Museu da Acrópole.

Dada a grandeza do Museu Britânico, há a necessidade de fazer uma seleção prévia do que se deseja ver. Geralmente opto por um percurso cronológico e faço uma lista pessoal de acordo com minhas preferências. Desta vez visitei as galerias do Egito e da Grécia. Saí de lá renovada e confiante de que tudo que vi iria ficar por muito tempo na memória. Confira o roteiro:

O museu

DSC00358
Entrada principal do museu e as colunas jônicas
DSC00262
Detalhe do frontão com esculturas em estilo clássico
DSC00276B
O teto interno do saguão principal do British Museum: projeto do arquiteto Norman Foster
  • Antigo Egito
DSC00353
Pedra Roseta com inscrições em hieróglifos, demótico e grego antigo

 

DSC00343
O escaravelho, amuleto mais popular do Egito

 

DSC00347
Hieróglifos egípcios
  • Grécia

 

DSC00278

Acompanhando a visita com o áudio-roteiro disponível em várias línguas

DSC00311
Com os filósofos: Sócrates, Antisthenes, Chrysippos e Epicuro

 

DSC00303
Parte das estátuas retiradas do frontão do Parthenon

 

DSC00296
Réplica do Monumento às Nereidas

 

DSC00326
Réplica da estátua do Templo das Cariátides

Na página oficial do museu você pode conferir toda a programação e planejar a sua visita:

http://www.britishmuseum.org/

http://www.britishmuseum.org/visiting/planning_your_visit/free_tours_and_talks.aspx

 

National Gallery

National Gallery fica localizado em um dos espaços mais belos e vibrantes de Londres, a Trafalgar Square. Com suas fontes exuberantes, a praça é uma atração à parte e fica bem no centro da capital inglesa. É fácil se apaixonar por ela e não querer mais sair de lá.

O museu estatal foi inaugurado em 1824 e concebido para atender a toda a população, não só aos “entendidos” ou aos estudiosos.  O National Gallery abriga as mais representativas obras-primas da história europeia do século XIII até o início do século XX. Entre os destaques estão O casal Arnolfini de van Eyck, Vênus ao Espelho de Velázquez, Girassóis de van Gogh.

Vamos encontrar  desde os renascentistas Botticelli, Leonardo e Rafael, passando pelos nórdicos van Eyck e Dürer, pelo grande mestre Caravaggio até chegar o século XIX e, finalmente, às obras pós-impressionistas de Seurat, Renoir e Cézanne.

O National Gallery é alegria para os olhos, uma parte da história e uma visita inesquecível. Confira as fotos:

O museu

DSC00677

Trafalgar Square

DSC00687

DSC00675

DSC00681

Meus favoritos:

O casal Arnolfini, van Eyck

 

Vênus ao Espelho, Velázquez

 

Girassóis, van Gogh

Na página oficial do museu você pode conferir toda a programação e planejar a sua visita:

http://www.nationalgallery.org.uk/

Tate Modern 

Para completar a tríade dos museus gratuitos de Londres, não pode faltar o imprescindível Tate Modern. A sua localização é muito privilegiada, pois ele fica de frente para o Tâmisa e a Ponte do Milênio. Além disso a coleção do museu é de tirar o fôlego!

O Tate Modern Foi inaugurado em 2000 para abrigar a Arte Moderna e entre os grandes mestres a gente encontra Picasso, Matisse e chagal.

TAte_modern

DSC00510
Quem disse que dinheiro não dá em árvore?
DSC00522
As três dançarinas, Picasso
DSC00534
Kandinsky
DSC00546
St. Paul Cathedral e Millenium Bridge
DSC00545
Um café para recarregar as baterias antes de iniciar a próxima jornada

Na página oficial do museu você pode conferir toda a programação e planejar a sua visita:

http://www.tate.org.uk/visit/tate-modern

Termino essa jornada com a certeza de que tudo isso merece mais do que uma visita.  Quem sabe já não é hora de pensar em voltar, afinal, a Terra da Rainha é um prato cheio para os que amam explorar o conhecimento.

Bye bye.

Até o próximo post.

Anúncios

London, baby. London! O intercâmbio e a cidade

PorClariceMenezes

Antes de decidir que meu intercâmbio seria em Londres, confesso que estava meio perdida procurando um lugar onde eu pudesse me divertir e estudar ao mesmo tempo. Fiz um levantamento de alguns possíveis destinos, mas nenhum deles naquele momento me seduziu tanto quanto a terra da rainha. Certa de ter tomado a melhor decisão, era hora de partir rumo a novas experiências e aproveitar muito a viagem. Afinal, nenhum intercâmbio sai barato e eu havia economizado muito para realizá-lo.

Assim que desembarquei, pressenti que havia feito a escolha certa no caminho para o estúdio. Observando ruas e avenidas, minhas suspeitas se confirmaram: I Love London! Já? Isso mesmo. Foi amor à primeira vista.

DSC00828
Tower Bridge

A cidade estava ali bem diante dos meus olhos e muito diferente de tudo o que eu havia visto ou escutado sobre ela. Para ser franca, nem vestígio de chuva ou fog, nem do tom acinzentado, muito pelo contrário, a Londres que se apresentava era jovem, colorida e efervescente.

DSC00170B
London Eye

Fiquei hospedada a cem metros do curso em um bairro incrível. Hampstead tem casas excelentes, um parque formidável (um entre tantos que a cidade tem), casas lindas e fica apenas a vinte minutos do centro. Além disso, a escola de inglês não poderia ter sido melhor. Com uma atmosfera ótima e alunos de todas as partes do mundo, estudávamos pela manhã e à tarde saíamos para desvendar e explorar a metrópole.

DSC00040
Hampstead Heath
DSC00884
Hampstead School of English, London

Andando pela cidade é que a gente entende essa coisa de esquina do mundo. Além da diversidade cultural e étnica, passear por Londres é entrar na máquina do tempo, onde a história está presente em toda parte: nas ruas, nos monumentos, na arquitetura e também nos museus, verdadeiros templos da memória coletiva. Só o The Anchor, pub mais antigo de Londres, que fica à beira do Tâmisa, tem 500 anos, a idade do Brasil. Na época das caravelas os ingleses já bebiam cerveja por lá. Imperdível!

The Anchor Pub
1016713_10200695873332248_1763147877_nB
The Anchor Pub

Estive tão entusiasmada com tudo o que estava vivendo que nem mesmo o calor desmedido daquele verão me fez esmorecer. Era julho e calor dos bons, só que sensivelmente amenizado pela beleza dos parques, pelo Tâmisa e pela eficiência e fluidez dos serviços. O metrô (carinhosamente chamado de tube) é cheio sem ser caótico. Há filas, mas os caixas são rápidos. Os ônibus não têm ventilação, no entanto chegam ao ponto nos horários marcados.

DSC03038 (1)

Durante duas semanas, até o sol se pôr por volta das 21 horas ou mesmo noite a dentro, em baladas ou musicais, as regras eram: ser feliz, aproveitar o tempo ao máximo da melhor forma possível e dizer sim a tudo o que Londres tinha a me oferecer.

DSC00897
Camden Town

 

Minha única preocupação era que depois de viver tantas experiências incríveis, eu sentiria, inevitavelmente, uma enorme vontade de retornar à terra do Big Ben. Tenho certeza de que você também não resistiria. E por quê? Porque é London, baby. London.

Até o próximo post! See you.

DSC00398
Tower Bridge